OCT
15
2014

KDE no Latinoware 2014

E começou a edição 2014 do Latinoware, um dos maiores eventos de software livre na América Latina. Dessa vez a conferência acontece de 15 à 17 de outubro, novamente na acolhedora cidade de Foz do Iguaçú.

Esse ano a participação do KDE será um pouco menor, devido às correrias do dia-a-dia que impediram a participação de vários rostos conhecidos da comunidade. Não teremos stand como nos anos anteriores, mas ainda assim haverá diversas atividades baseadas nos produtos desenvolvidos pelo KDE - incluindo a participação de Boudewijn Rempt, um dos principais desenvolvedores da ferramenta gráfica Krita.

Segue a programação abaixo:

Palestras:

Dia 15/10

16h - Edição de vídeos na prática com kdenlive, com Carlos Cartola

Dia 16/10

17h - Possibilidades pedagógicas com o editor de imagens KolourPaint, com Glenilce Maria de Sousa Forte

Dia 17/10

12h - Concept Designer com Krita

14:15h - Free and Libre Graphics Software: a digital studio that is yours, com Boudewijn Rempt

E fique a vontade para participar do KDE Brasil e auxiliar tanto no desenvolvimento dos softwares quanto na construção de atividades e eventos da comunidade!

SEP
10
2014

LaKademy 2014

De 27 a 30 de agosto de 2014, aproximadamente dezesseis fãs do KDE reuniram-se no 2º LaKademy - A Conferência Latino-Americana do KDE. O sprint ocorreu no Centro de Competência em Software Livre (CCSL) na Universidade de São Paulo (USP), sudeste do Brasil.

Um pouco de história

Desde 2008, muitas iniciativas foram tomadas para a promoção e divulgação da comunidade e tecnologias KDE no Brasil e na América Latina. Mesmo que as vezes em ritmo lento, esse esforço tem alcançado bons resultados na disseminação de motivações e benefícios de se envolver em uma comunidade de software livre vibrante, principalmente em uma região onde a tradição de sprints não está totalmente consolidada.

Em 2010 o 1º Akademy-BR (Conferência Brasileira do KDE) ocorreu na Praia do Forte, Bahia, nordeste do Brasil. Aproximadamente 20 participantes reuniram-se em um encontro de três dias, onde alguns dos contribuidores brasileiros atualmente ativos do KDE deram seus primeiros passos contribuindo com codificação, tradução e promoção. Algumas pessoas vieram e se foram, mas algumas delas foram seduzidas com a ideia de seguirem juntas na busca pelo conhecimento compartilhado e de tornar o mundo melhor com software livre de alta qualidade. Estas continuam impulsionando o KDE em suas universidades, empresas e eventos de grande visibilidade como FISL e Latinoware.

Após o Akademy-BR, nos concentramos na tentativa de melhor integrar a comunidade KDE em países da América Latina. Em edições anteriores do Latinoware, alguns contribuidores do Peru e Argentina foram convidados a apresentar seus trabalhos, reunir-se com os companheiros brasileiros e ajudar nas decisões acerca de ações para estreitar as relações do KDE na América Latina. Tal esforço culminou no 1º LaKademy, realizado em Porto Alegre, sul do Brasil, de 27 de abril a 1º de maio de 2012. Dezesseis participantes do Brasil, Argentina e Peru envolveram-se em artwork, tradução, promoção e atividades de desenvolvimento.

Dois anos se passaram até o 2º LaKademy ser realizado no Centro de Competência em Software Livre (CCSL) na Universidade de São Paulo (USP), nos dias 27 a 30 de agosto de 2014. A USP é uma das mais importantes e prestigiadas universidades no mundo e o CCSL é um prédio de dois andares inteiramente dedicado a projetos de software livre, bem próximo ao IME (Instituto de Matemática e Estatística) - onde são oferecidos os cursos de Ciência da Computação, Matemática e Estatística. Motivados pela expectativa de atrair novos contribuidores em potencial ao KDE, optamos por uma programação com palestras sobre o KDE no primeiro dia, um minicurso introdutório de Qt no segundo dia, e os sprints habituais de contribuição nos dois últimos dias do LaKademy 2014. Infelizmente, o número de visitantes foi menor que o esperado. Apesar disto, as palestras permitiram uma melhor socialização dos trabalhos que cada um desenvolve no KDE e o minicurso de Qt foi um espaço utilizado para esclarecimento de dúvidas comuns, além de proporcionar um suporte inicial em especial aos recém-chegados ao KDE através do LaKademy 2014.

LaKademy 2014 - Group Photo

Foto do Grupo LaKademy 2014

O que nós fizemos?

O primeiro dia do LaKademy 2014 iniciou com a palestra do Lamarque sobre Eduroam e Plasma Network Management. Em seguida, Rafael Gomes apresentou sua palestra sobre o KDE SysAdmin - fornecendo algumas informações interessantes sobre a infraestrutura KDE e todo o trabalho realizado nos bastidores, a fim de apoiar o desenvolvimento de tecnologias KDE e a comunicação da comunidade. A palestra seguinte foi sobre o KDE Connect, apresentada por Ronny Yabar, onde foram expostos as características mais marcantes da integração mobile-desktop KDE, seguida por uma breve discussão sobre sua arquitetura. No final do dia, Filipe Saraiva apresentou uma palestra sobre aplicativos Qt e KDE no Android, com atenção especial ao caso GCompris.

Palestra do Rafael sobre KDE SysAdmin

Um minicurso introdutório de Qt foi apresentado por Sandro Andrade no segundo dia do LaKademy 2014. Dado o tempo limitado disponível, foram focados aspectos essenciais que fundamentam as formas de desenvolvimento de aplicativos multiplataformas em Qt: mecanismo sinal/slots, propriedades (dinâmicas), metaobjetos, compiladores moc e uic, loops de eventos e design básico de interfaces usando o QtWidgets e QML. No público: alguns recém-chegados convidados a participar do LaKademy, tradutores tentando obter uma compreensão sobre programação, veteranos ajudando a tornar alguns pontos mais claros e três visitantes da USP.

O terceiro e quarto dia foram dedicados a sessões de hacking e um BoF sobre KDE promo. Entre os resultados do desenvolvimento, conseguimos portar o Bovo para KF5 (foi enviado para o branch 'frameworks' do repositório do bovo) e Filipe deu início ao porte do Cantor para KF5. Ronny submeteu para revisão algumas mudanças sobre o KDE Connect. Filipe também começou a criação de um metapacote para KF5 no Mageia. Boaglio e Sandro (dois geeks old-school com uma inexplicável paixão por MSX) deram início ao desenvolvimento do QMSX - um frontend GUI para o emulador openmsx:

O frontend QMSX para openmsx

O BoF sobre KDE promo durou cerca de duas horas e levantou uma série de questões, avaliação de estratégias e dezessete tarefas foram registradas no todo.kde.org (projeto 'KDE Brazil'), incluindo o desenvolvimento de material promocional, produção de vídeos periódicos, presença do KDE nas redes sociais e aspectos financeiros. Filipe auxiliou na configuração de bots para divulgação de notícias no Facebook e Twitter. O próximo LaKademy também rendeu uma discussão empolgante durante o BoF. Em geral, concordamos em realizar o 3º LaKademy já no primeiro semestre de 2015. O local está quase confirmado.

Quanto aos resultados de artwork, Adriana (que juntou-se ao grupo no último minuto), Viviane e Wagner produziram algumas coisas incríveis durante aqueles dias. Um tema KSplash comemorativo do LaKademy também foi desenvolvido. E quanto a estes papéis de parede do novo Konqi e do LaKademy? 

    

Papéis de parede desenvolvidos durante o LaKademy 2014

Finalmente, Aracele, Camila e Bianca estiveram envolvidas em atividades de tradução. Elas focaram na tradução do techbase, o qual foi de 18% para 24% durante aqueles dias. No final do terceiro dia, tivemos uma adorável noite de cerveja-e-pizza no Garoa Hacker Club, com um monte de palestras relâmpago, chaveiros KDE saindo de uma impressora 3D e outras nerdices.

Gostaríamos de dizer um imenso "muito obrigado" ao KDE e.V. pelo apoio financeiro, ao Centro de Competência em Software Livre por hospedar o LaKademy 2014, a Viviane Notato pelo suporte de artwork e a Aracele e Filipe pelos arranjos locais. Esperamos nos encontrar novamente em breve, no LaKademy 2015, com 4 a 5 dias dedicados apenas a sprints. Nenhuma palestra, nenhum minicurso :). Afinal, onde podemos obter o máximo de diversão contribuindo para o KDE?

LaKademy 2014 flickr photoset

AUG
17
2014

Últimos dias para inscrições do LaKademy 2014

LaKademy 2014 - Conferência Latino-Americana do KDE trás uma série de palestras, minicursos, sessões de hacking e reuniões com membros da comunidade de vários lugares da América Latina que contribuem de diferentes maneiras com o projeto.

O objetivo do LaKademy é tanto congregar a comunidade de desenvolvedores e usuários quanto servir como mais uma porta de entrada para novos colaboradores ao projeto.

Não precisa ser usuário ou colaborador do KDE para participar - todos são bem-vindos ao evento, que inclusive conta com uma programação diversificada, reflexo de como o KDE hoje é um grande guarda-chuva de diferentes outros projetos.

Entre outros, a programação apresentará palestras sobre administração de sistemas do KDE, artwork, minicurso sobre Qt, KDE e Qt no Android, tradução e internacionalização de software, como configurar um ambiente e contribuir com código para o KDE, e muito mais.

O LaKademy vai acontecer no CCSL da USP - São Paulo, de 27 à 30 de agosto.

Lembre-se: Inscrições vão até esta quinta-feira (21/08/2014) e são gratuitas! - mas considere fazer uma doação ao projeto durante a inscrição.

AUG
1
2014

Incrições abertas para participantes do LaKademy 2014

Estão abertas as inscrições de participantes para o LaKademy 2014 - Conferência Latino-Americana do KDE, que ocorrerá no prédio do CCSL-USP, São Paulo, de 27 à 30 de agosto.

O evento reunirá colaboradores de várias áreas, e a programação conta com diversas palestras relacionadas a vários aspectos do KDE, como desenvolvimento em Qt, administração de sistemas, arte, e mais, além de sessões de hacking em diferentes softwares, e discussões sobre temas específicos da comunidade.

O LaKademy será um bom ponto de partida para todos aqueles que desejam conhecer e contribuir com o KDE.

As inscrições são gratuitas, mas pedimos que você considere fazer uma doação ao projeto, colaborando tanto com o desenvolvimento do KDE quanto com a realização de eventos como este. A página tem um botão para doações via PayPal.

Vem pro LaKademy!

JUL
15
2014

Plasma 5 traz uma interface mais limpa sobre um novo stack gráfico

Por Sebastian Kügler

A primeira versão do Plasma 5 foi lançada. Temos trabalhado muito e duro ao longo dos últimos três anos para arrumar a parte interna e passar para novas tecnologias para trazer uma base sólida para a área de trabalho do KDE Plasma para os próximos anos. A interface do usuário foi limpa, há um tema novo, o Breeze, começando a sair e foi adicionado suporte de alta DPI. O principal design da área de trabalho e fluxos de trabalho não foram alterados, sabemos que você gosta de sua área de trabalho e não tem vontade de mudá-la. Não há polimento suficiente nesta versão para torná-la final ainda, esta é apenas para entusiastas e pessoas que querem ajudar a depurar agora.

Muitas distribuições têm pacotes para instalar ou imagens de teste para experimentar embora esta versão 5.0 não deva ser a opção padrão ainda. O Plasma 5 é construído usando Qt 5 e Frameworks 5 e deve ter novos lançamentos em um ciclo de três meses.

Você pode discutir sobre suas experiências no fórum Plasma 5 no KDE Community Forums. Por favor, poste na mídia social com a hashtag #PlasmaByKDE.

As principais mudanças nesta nova versão incluem:

  • Uma experiência de usuário atualizada e modernizada, com visual mais limpo e interativo
    O novo tema Breeze tem um alto contraste, é um tema plano para o espaço de trabalho. Ele está disponível em variações claras e escuras. Elementos gráficos mais simples e monocromáticos  e layouts centrados na tipografia oferecem ao usuário uma experiência visualmente limpo e clara.
  • Perfomance gráfica mais suave graças a um stack gráfico atualizado
    As interfaces de usuário do Plasma são renderizadas usando OpenGL ou OpenGL ES, descarregando muitas das tarefas computacionais intensivas de renderização. Isso permite altas taxas de frame e possibilita a exibição de gráficos mais suaves enquanto liberam recursos do processador principal do sistema.

Assista ao vídeo do Plasma 5.0

Outras mudanças visíveis ao usuário são:

  • Convergência
    A "convergência do Plasma" que carrega a área de trabalho no Plasma 5.0 pode ser estendido a outras experiências de usuário. Isso estabelece a base para uma experiência de usuário convergente trazendo uma interface adequada para um determinado dispositivo de destino. Experiências de usuário podem ser alternadas dinamicamente em tempo de execução, permitindo, com base em eventos de hardware, como conectar um teclado e um mouse.
  • Lançadores modernizados
    As interfaces de usuário dos lançadores de aplicativos foram reformuladas. Entre as mudanças estão um lançador de aplicativos Kickoff visualmente redesenhado, um recém-incluído lançador, mais parecido como um menu, chamado Kicker e uma interface nova, baseada em QtQuick para o KRunner.
  • Melhorias de fluxo de trabalho na área de notificação
    A área de notificação foi limpa, e ostenta um visual mais integrado agora. Menos janelas pop-up e transições mais rápidas entre, por exemplo, gerenciamento de energia e configurações de redes levam a um maior padrão de interação livre de distrações e uma maior coerência visual.
  • Melhor suporte para telas de alta densidade (alta-DPI)
    O suporte para telas de alta densidade foi melhorado. Muitas partes da interface do usuário agora tem o tamanho físico da tela em conta. Isto leva a uma melhor usabilidade e visualização em telas com pixels muito pequenos, como telas de Retina.

O Plasma 5.0 Visual Feature Guide fornece um vídeo de passeio no ambiente de trabalho atualizado.

O trabalho de arte Breeze melhora a claridade visual

O novo tema Breeze, que ainda está em sua infância, saúda o usuário com uma interface de usuário modernizada mais limpa, o que melhora o contraste e reduz a poluição visual em todo o espaço de trabalho. Maior confiança na tipografia facilita o reconhecimento de elementos de interface do usuário. Estas mudanças vem junto com um tema padrão mais plano e contraste melhorado para melhorar ainda mais a clareza visual. O Breeze é um conceito novo de trabalho de arte, e está apenas começando a mostrar sua cara. Um tema para os componentes da área de trabalho está disponível, a tematização de widgets tradicionais está em curso, e o trabalho em um novo tema de ícones começou. A migração para um espaço de trabalho totalmente Breeze será gradual, com seus primeiros sinais aparecendo no Plasma 5.0.
O Plasma 5 traz um maior nível de flexibilidade e consistência aos componentes principais do ambiente de trabalho. O explorador de widget, e o alternador de janela e atividade agora compartilham um esquema de interação comum. Mais confiança na vertical em vez de listas horizontais oferece melhor usabilidade. Movendo o alternador de janela para o lado da tela muda o foco do usuário para os aplicativos e documentos, limpando o terreno para a tarefa em mãos.

Experiência de usuário convergente

O mecanismo "look and feel" do novo Plasma 5 permite trocar partes como os alternadores de tarefas e atividades, as telas de login e bloqueio e o diálogo "Adicionar Widgets". Isto permite uma maior consistência entre fluxos de trabalho centrais, melhora a clareza dentro de padrões de interação semelhantes e muda padrões de interação relacionados em toda a área de trabalho ao mesmo tempo.
Em cima disso, o Plasma 5 shell é capaz de carregar e alternar entre experiências de usuário para um determinado dispositivo de destino, introduzindo um espaço de trabalho verdadeiramente convergente. O espaço de trabalho demonstrado neste lançamento é o Plasma Desktop. Ele representa uma evolução dos conhecidos paradigmas de laptop e desktop. Uma experiência do usuário centrada em tablet e mediacenter estão em desenvolvimento como alternativas. Quando o Plasma 5.0 se tornar familiar, os usuários notarão uma experiência de espaço de trabalho mais limpa, moderna e consistente.

Stack gráfico totalmente acelerado por hardware

O Plasma 5 completa a migração do espaço de trabalho Plasma para QtQuick. O QtQuick 2 do Qt 5 usa OpenGL (ES) acelerada por hardware para compor e renderizar gráficos na tela. Isso permite o descarregamento de tarefas de renderização gráfica computacionalmente caros para a GPU que libera recursos na principal unidade de processamento do sistema, é mais rápido e mais eficiente em termos de energia.

Mudanças internas no compositor gráfico e Frameworks subjacentes preparam suporte para rodar sobre o Wayland, que está previsto para uma próxima versão.

Adequação e atualizações

O Plasma 5.0 fornece um desktop principal com um conjunto de recursos que será suficiente para muitos usuários. A equipe de desenvolvimento tem se concentrado em ferramentas que compõem os fluxos de trabalho centrais. Como tal, nem todos os recursos da série 4.x do Plasma estão ainda disponíveis, muitos deles planejam voltar com um lançamento posterior. Como acontece com qualquer lançamento deste tamanho, haverá bugs que tornam a migração para o Plasma 5 difícil, se não impossível para alguns usuários. A equipe de desenvolvimento gostaria de ouvir sobre essas questões, para que possam ser tratadas e corrigidas. Nós compilamos uma lista de problemas conhecidos. Os usuários podem esperar atualizações mensais de correção de bugs, e um lançamento trazendo novos recursos e mais antigos de volta, no Outono de 2014.

Com um novo conjunto substancial de ferramentas vêm interessantes novos erros e problemas que precisam de tempo para serem contornados. Isso é de se esperar em uma primeira versão estável. Especialmente o desempenho gráfico é fortemente dependente de configurações de hardware e software específicos e padrões de uso. Embora ele tenha um grande potencial, é preciso tempo para sanar esses problemas. A pilha subjacente pode não estar totalmente pronta para isso também. Em muitos cenários, o Plasma 5.0 mostrará um desempenho suave - enquanto em outros momentos, ele será prejudicado por várias falhas. Estas podem e serão abordadas, no entanto, muito depende de componentes como Qt, Mesa e drivers de hardware

O texto original em inglês está em dot.kde.org.

JUL
8
2014

KDE Frameworks 5 torna o software KDE mais acessível para todos os desenvolvedores Qt

Hoje, a comunidade KDE disponibilizou a primeira versão estável do Frameworks 5. No encontro Randa por volta de 2011, nós começamos a trabalhar no porte da Plataforma KDE 4 para o Qt 5. Mas, como parte deste esforço, nós também começamos a modularizar nossas bibliotecas, integrando partes no próprio Qt 5 e modularizando o resto para que os aplicativos pudessem apenas usar a funcionalidade de que precisassem. Três anos mais tarde, enquanto uma arrecadação de fundos para o encontro Randa 2014 está em andamento, o Frameworks foi lançado. Hoje você poupar seu tempo e o esforço de repetir o trabalho que os outros fizeram, contando com mais de 50 Frameworks com código maduro e bem testado. Para obter uma lista completa e detalhes técnicos dos codificadores, você pode ler a documentação da API.

Destaques

KArchive oferece suporte para vários codecs de compressão populares em uma biblioteca de extração e arquivamento independente, cheio de recursos e fácil de usar. Apenas alimente-o com arquivos; não há necessidade de reinventar a função de arquivamento em seu aplicativo baseado no Qt!

ThreadWeaver oferece uma API de alto nível para gerenciar threads utilizando interfaces baseadas em job e fila. Ele permite fácil programação de execução de threads, especificando as dependências entre elas e executando-as satisfazendo essas dependências, simplificando enormemente o uso de múltiplas threads.

KConfig é um Framework para lidar com armazenamento e recuperação de definições de configuração. Possui uma API orientada a grupo. Ele funciona com arquivos INI e diretórios em cascata compatível com XDG. Ele gera código baseado em arquivos XML.

Solid oferece detecção de hardware e pode informar a um aplicativo sobre os dispositivos de armazenamento e volumes, CPU, status da bateria, gerenciamento de energia, estado e interfaces de rede, e Bluetooth. Para partições criptografadas, energia e rede, execução de daemons é obrigatória.

KI18n adiciona suporte Gettext para aplicativos, tornando mais fácil para integrar o fluxo de trabalho de tradução de aplicativos Qt na infraestrutura geral de tradução de muitos projetos.

Esta é apenas uma amostra das muitas Frameworks disponibilizadas hoje.

Como começar

No Linux, o uso de pacotes para sua distribuição favorita é a maneira recomendada para ter acesso ao KDE Frameworks.

Compilar a partir do fonte é possível usando os comandos básicos cmake.; make; make install. Para um framework único Tier 1, esta é muitas vezes a solução mais fácil. As pessoas interessadas em contribuir para Frameworks ou acompanhar os progressos no desenvolvimento de todo o conjunto são incentivadas a usar o kdesrc-build.

Frameworks 5.0 requer Qt 5.2. Ele representa o primeiro de uma série de lançamentos mensais planejados para tornar as melhorias disponíveis para os desenvolvedores de uma forma rápida e previsível.

Aonde o código vai

Aqueles interessados em acompanhar e contribuir com o desenvolvimento do Frameworks podem fazer o check out dos repositórios git, seguir as discussões na lista do desenvolvimento do Frameworks e enviar patches através do review board.

O KDE está sempre à procura de novos voluntários e contribuições, seja ajuda com código, correção ou relatório de bugs, escrita de documentação, traduções, promoção, dinheiro, etc. Todas as contribuições são apreciadas e aceitas. Por favor, leia a página de doações para mais informações. E, como foi mencionado acima, o KDE está levantando fundos para tornar o Randa 2014 possível. Sua contribuição é fundamental para tornar um evento como este possível - e com isso, projetos como o KDE Frameworks!

JUL
3
2014

Para onde o KDE está indo - Parte 2

Por Jos Poortvliet

Esta é a segunda parte da resenha "Para onde o KDE está indo". Na semana passada, falei sobre o que está acontecendo com as tecnologias do KDE: Plataform está virando modular em Frameworks, o Plasma está se movendo para novas tecnologias e os Aplicativos mudando seu cronograma de lançamento. Neste post, vou discutir os aspectos sociais e organizacionais: nossa governança.

KDE e.V

Você não pode falar sobre o KDE e governança sem falar do KDE e.V. (eingetragener Verein, ou, em Inglês, registered association). Esta organização sem fins lucrativos com sede na Alemanha é a organização jurídica por trás da comunidade KDE, e que desempenha vários papéis importantes.

Inicialmente criado para lidar com o financiamento de conferências do KDE, o e.V. ainda tem a organização de eventos como uma tarefa importante. Mas isso não é mais limitado à conferência anual Akademy. Agora há eventos em todo o mundo, de Camp KDE e Lakademy das Américas a conf.kde.in na Índia. Além disso, muitos Sprints de Desenvolvedor, geralmente com cerca de 5-15 pessoas, são apoiados, assim como são as reuniões anuais Randa que podem atrair 40-60 desenvolvedores.

O KDE e.V. Também presta serviços jurídicos, paga por infra-estrutura e cuida de nossas marcas. A KDE Free Qt Foundation está igualmente representada pelo KDE e Digia. A Fundação foi criada pela antiga Trolltech e o KDE para manter o status aberto do Qt, e foi continuada com a Nokia e a Digia, os titulares sucessivos da marca Qt. O KDE e.V. não é o guardião de decisões técnicas, no entanto. Isto depende dos processos de desenvolvimento comunitário naturais.

Mudança

Mas o KDE e.V. atua como um agente de mudança. Ele fornece um local onde o núcleo de contribuidores do KDE se reúne e discute uma ampla variedade de assuntos.

Nos últimos 8 anos ou mais, o KDE e.V. tem sido o principal motor por trás do aumento do número de sprints de desenvolvedores e criou o Fiduciary Licensing Agreement que lhe permite re-licenciar o código do KDE, quando necessário, ao mesmo tempo em que protege os interesses dos desenvolvedores. O Código de Conduta se originou com o KDE eV, como fez a nossa Community Working Group, que ajuda a lidar com os problemas de comunicação na comunidade.

Um exemplo recente de nossos esforços de melhoria contínua é o Manifesto KDE. Ele estava para chegar há muito tempo, mas Kévin Ottens entendeu a linha de chegada.

O Manifesto define explicitamente a nossa comunidade: os nossos valores e os nossos compromissos para com o outro. A importância deste dificilmente pode ser exagerada - saber quem você é e o que você quer ajuda a tomar decisões, mas também mostra aos outros sobre você. O Manifesto deixou claro o que estava envolvido em fazer parte da Comunidade KDE, incluindo os benefícios e as formas que atuamos.

Adesão à comunidade KDE

Desde que o Manifesto foi escrito, vários projetos se juntaram ao KDE ou iniciaram o processo de fazer isso:

  • KBibTex (um editor bibtex)
  • QtCurve (tema/estilo)
  • Kdenlive (editor de vídeo não-linear)
  • Tupi (ferramente de animação 2d)
  • GCompris (um aplicativo educacional, ex-projeto GNOME - progresso)
  • O projeto wikiFM, um banco de dados de conhecimento baseado em universidade italiana
  • Bodega (armazenamento de conteúdo digital)
  • Kxstitch (gráficos e padrões de ponto cruz)
  • Trojita (um cliente de e-mail Qt IMAP)

É claro que esses projetos contribuem para a crescente diversidade na comunidade KDE. Os muitos projetos que se juntaram a nós levou a algum refinamento do KDE Incubator, um esforço para documentar o processo de tornar-se parte da comunidade KDE (também iniciado por Kevin, que provavelmente sentiu pena das consequências de seu manifesto criando tanto trabalho extra ; - )).

Outros projetos mudaram para ou surgiram da comunidade KDE e tornaram-se comunidades independentes. Exemplos disso são o Necessitas (que fornece Qt para Android) e Ministro (instalador para bibliotecas no Android), mas também o conhecido projeto ow
nCloud, que foi anunciado no Camp KDE 2010, em San Diego, e ainda tem muitas pessoas do KDE envolvidas.

Crescimento do Qt

O KDE tem crescido - assim como o Qt (pronuncia-se 'cute'). O ecossistema Qt hoje é muito grande - estima-se que meio milhão de desenvolvedores do Qt em todo o mundo! E não só tem crescido o uso de Qt, mas o ecossistema em torno dele, com mais e mais contribuições de mais e mais empresas, comunidades e indivíduos. Incluindo o KDE.

O KDE sempre foi próximo da comunidade Qt, com muitos desenvolvedores do KDE trabalhando para a antiga Trolltech, agora Digia, ou em uma das empresas que prestam consultoria Qt. O KDE desempenhou um papel importante no
estabelecimento da KDE Free Qt Foundation, e as pessoas do KDE foram fundamentais para o processo de criação de Open Governance no âmbito do Projeto Qt em 2011. Em 2013, o Qt Contributor Summit foi co-localizado com o Akademy, e como discutido no artigo anterior, o KDE está contribuindo com um monte de código para o Qt e construindo laços mais estreitos com o ecossistema Qt através de nossos esforços em torno do Frameworks 5.

Extrapolando a mudança

Com base no exposto, pode-se extrapolar. Mais projetos vão aderir à Comunidade KDE, o KDE vai se tornar mais diversificado. O KDE também está trabalhando em formalizar as relações com entidades externas através de um programa de parceria da comunidade. Isto permitirá que o KDE e.V. trabalhe mais próximo com outras comunidades em assuntos jurídicos e financeiros e compartilhe os pontos fortes do KDE com elas. Com essas mudanças, a comunidade mostra um desejo de expandir seu alcance.

Outra área em que as mudanças podem ocorrer é na área financeira. O KDE e.V. não tem a função de definir orientações técnicas. Para patrocinar um desenvolvedor, a equipe Krita criou a Dutch Krita Foundation para lidar com os recursos finaceiros. Atualmente, o Krita, o aplicativo de desenho mais bem sucedido e poderoso do Software Livre, está fazendo uma campanha no Kickstarter para obter financiamento para vários desenvolvedores com o objetivo de trazer o lançamento do Krita 2.9 para um novo nível. Em outros casos, organizações externas apoiaram desenvolvedores que trabalham no código do KDE, como Kolabsys apoiando vários desenvolvedores na suíte KDE PIM (como Christian), e, claro, as várias distribuições Linux (como o Red Hat), que tornaram possíveis grandes melhorias para o KDE ao longo dos anos.

Desenvolvimento pago é um tema complicado, já que a maioria dos contribuidores do KDE doam o seu tempo. O dinheiro pode ser prejudicial a tal motivação intrínseca. Ao mesmo tempo, algumas tarefas são tão sem graça - pagar os desenvolvedores talvez possa ajudar. Algumas pessoas da comunidade sentem que KDE e.V. (ou, talvez, uma outra organização?) poderia desempenhar um papel mais ativo na angariação de fundos para determinados projetos, por exemplo. As reuniões para arrecadação de fundos para o Randa 2 anos atrás pode ser um sinal das coisas que estão por vir, e mais uma vez nós começamos uma angariação de fundos para tornar o Randa 2014 tão bem sucedido como as reuniões anteriores: Por favor, apoie-o!

Pode haver mais programas de afiliação sustentável, tais como "Join the game" no futuro, e sugestões, idéias e ajuda prática na obtenção e uso de fundos para o desenvolvimento do KDE são muito bem-vindos.

Nem tudo muda

Mas em toda essa mudança, é fundamental que a comunidade KDE preserve o que faz com que funcione bem. O KDE tem chegado onde está hoje pela cultura e as práticas de hoje (ver alguns dos meus pensamentos sobre isso). Como em qualquer comunidade, estas são regras ocultas que permitem ao KDE partilhar os conhecimentos de tantas pessoas brilhantes, e sem muito política, para tomar as melhores decisões possíveis. A cultura do KDE, por assim dizer. Isto inclui conhecidas regras do Software Livre como Who Codes, Decides (Quem codifica, decide), RTFM ("Read The Fucking Manual" - Leia a droga do manual), Talk is cheap (Falar é fácil) e Just Do It (Apenas faça), mas também muito regras 'KDE' como Assuma boas intenções e respeite os mais velhos. E, assim como no francês Liberté, Egalité, Fraternité, as regras são inseparáveis ​​e interdependentes. Elas são o que faz com que o KDE seja um lugar tão incrível, cheio de criatividade, inovação e diversão.

Claro que em outras áreas isso pode dificultar o progresso ou bloquear as pessoas de fazerem mudanças tão rapidamente quanto eles gostariam. Toda a cultura tem aspectos bons e maus, e devemos permanecer flexíveis para se adaptar às mudanças e corrigir deficiências. Este é um processo lento, muitas vezes contado em anos, em vez de meses - colocando de lado algumas pessoas que desejam que as coisas sejam um pouco mais rápidas. Mas a mudança acontece.

Mude para manter as coisas saudáveis

O KDE Community Working Group é uma instituição com o objetivo de preservar os aspectos positivos da nossa cultura. O CWG consiste em um grupo de membros da comunidade de confiança que lidam com os conflitos e questões sociais. Ele existe desde 2008 e, recentemente, ganhou a habilidade de lidar com cenários de 'dias de tempestade' - eles agora vão lidar com situações em que alguém está se comportando persistentemente contrário à cultura. Felizmente estas situações são extremamente raras, mas é bom ter um processo para lidar com elas.

A lista de discussão kde-community moveu muitas discussões para fórum aberto, que costumavam ser limitadas aos membros do KDE e.V. A abertura de nossas discussões internas é mais abrangente; preserva a natureza aberta do nosso projeto em face do crescimento e de mudança.

Meta mudança

Reunindo essas mudanças, um padrão começa a emergir:
O Manifesto tem definido o que nos tornamos e o que queremos. Ele trouxe outras pessoas e outros projetos. Nós abrimos a nossa comunidade, formalizamos a gestão comunitária. O KDE e.V. quer colaborar mais com outras organizações, o Frameworks 5 traz a tecnologia do KDE para um público mais amplo, e estamos trazendo a nossa área de trabalho e tecnologia de aplicativo para mais e mais dispositivos.

Eu acho que o KDE está se tornando meta.

O KDE está se tornando uma organização meta. Talvez você possa chamá-lo de um Eclipse para GUI ou software de usuário final, trazendo uma grande variedade de projetos juntos sob o mesmo guarda-chuva. O desafio para a comunidade KDE é orientar essas mudanças, manter as boas práticas e desenvolver novas que se encaixem no novo mundo!

Conclusão

O KDE está se tornando uma comunidade guarda-chuva, uma comunidade de comunidades. Um lugar onde as pessoas com uma enorme variedade de interesses e idéias se reúnem, partilhando uma visão comum sobre o mundo. Não é uma visão técnica, lembre-se, mas uma visão sobre como fazer as coisas. Valores compartilhados são o que nos une. E com KDE se tornando meta, não há mais espaço para todos!

Esses artigos são baseados em uma palestra dada em conf.kde.in por Jos Poortvliet com muitas contribuições de colaboradores do KDE. Uma versão mais extensa desses artigos, citando membros da comunidade KDE, pode ser encontrada no próximo número (agosto) da revista Linux Voice, "a revista que devolve à comunidade de Software Livre".

O artigo original em inglês pode ser lido em dot.kde.org.

JUL
1
2014

LaKademy 2014: nova chamada de trabalhos e primeiras apresentações confirmadas

O LaKademy 2014 - Conferência Latino-Americana do KDE, ocorrerá de 27 à 30 de agosto em São Paulo, nas dependências do CCSL - Centro de Competência em Software Livre do IME-USP [1].

Ainda temos alguns slots de palestras/mini-cursos disponíveis, então estamos realizando uma segunda chamada de trabalhos que ficará aberta até *10 de julho* [2].

E aproveitando, divulgamos as primeiras palestras/mini-cursos submetidas e confirmadas para o evento:

  • KDE Sysadmin Team (Rafael Brito Gomes/Presentation)
  • Eduroam: Facilitando Acesso à Internet em Instituições de Ensino (Lamarque Vieira Souza/Presentation)
  • Mini-Curso de Introdução ao Qt (Sandro Andrade/Short Course)
  • Qt e KDE no Android: o caso GCompris (Filipe Saraiva/Presentation)
  • Do GTK ao Qt, como Linus Torvalds abraçou o C++ (Tomaz Canabrava/Presentation)

Logo mais em julho teremos a abertura das inscrições para participantes.

Fiquem ligados!

[1] Sobre o LaKademy 2014 - http://br.kde.org/lakademy-2014

[2] Chamada de Trabalhos - http://br.kde.org/lakademy-2014-CfP

JUN
26
2014

Para onde o KDE está indo - Parte 1

Por Jos Poortvliet

Esse artigo explora onde a comunidade KDE está atualmente e para onde está indo. Frameworks, Plasma, KDE e.V., Qt5, KDE Free Qt Foundation, QtAddons - você já ouviu alguns desses termos e deseja saber porque todo barulho em torno deles? Um conjunto de artigos no Dot pretende esclarecer sobre as mudanças e continuidades da comunidade KDE em 2014 e além. Este é o primeiro artigo, mergulhando no lado técnico das coisas: Plasma, aplicativos e bibliotecas.

O KDE são as pessoas

Hoje a nossa tecnologia vai muito mais além do que as origens humildes em 1996, quando começamos a construção de um 'Ambiente de Trabalho'. O KDE tem hoje muitas centenas de desenvolvedores ativos. Eles não fazem um 'desktop' (Plasma Desktop), mas também um variante para tablets (Plasma Active) e TVs (Plasma Media Center); Plasma Netbook tem 5 anos!

Enquanto isso, os aplicativos do KDE foram além de simples relógios e calculadoras - nós temos uma suíte office completa, e-mail e calendário, vídeo e editores de imagem e muito mais. Não só isso, os aplicativos do KDE estão sendo portado para múltiplas plataformas - de Windows e Mac para Android. E as nossas bibliotecas (que estão sendo renomeadas para Frameworks 5) serão modulares, tornando-os disponíveis gratuitamente para um público muito mais amplo do que apenas os desenvolvedores do KDE.

Hoje, o KDE não é mais um Unix Desktop Environment. Hoje, o KDE são as pessoas: nós. Você e eu. E as nossas tecnologias - Plasma, Aplicativos e Frameworks - estão fazendo mais do que nunca. Vamos explorar aonde elas estão indo, começando com o Plasma, fundamental para a nossa interface desktop.

Plasma por KDE

O Plasma foi concebido como a próxima geração de tecnologia desktop do KDE. Quando a sua arquitectura foi projetada em 2006 e 2007, o objetivo dos desenvolvedores era construir uma base modular adequada para múltiplas interfaces de usuário diferentes. É fácil ver isso como um objetivo óbvio em um mundo com telas de alta resolução, tablets, celulares, centros de mídia e assim por diante. Mas, como argumentei aqui, até hoje, a tecnologia do KDE é única em sua capacidade de convergir os diferentes form factors em um nível de código. Outros ainda estão ou tentando construir uma interface para uma ampla variedade de dispositivos, procurando um meio-termo ou perceberam que a convergência de interface de usuário é um exercício fútil e criaram interfaces separadas.

Plasma 5

O Plasma levou algum tempo para amadurecer, em parte devido ao seu design ambicioso, em parte porque as tecnologias com as quais ele foi construído não eram maduras o suficiente para as suas necessidades. Este ainda é um pouco de um problema hoje, e as séries 4.x têm soluções alternativas para lidar com as deficiências nas plataformas inferiores.

Isso é onde a próxima geração da tecnologia Plasma entra. Convenientemente chamado Plasma Next, ele vai trazer design pixel-perfect e uma boa performance graças às tecnologias do QML e do Qt 5 e renderização gráfica totalmente acelerada por hardware. Suporte à alta DPI e a capacidade de trabalhar com Wayland (a próxima geração de servidor gráfico do Linux) estão previstas tambémmas também não se espera que sejam totalmente acabado com a primeira versão. 

Com o Plasma 5 a equipe pode começar a trabalhar no sentido de levar a mudança perfeita de espaços de trabalho quando trocam de um dispositivo para outro. Por exemplo, conectar um teclado e mouse em um tablet pode acionar o Plasma para transformar sua interface de usuário tablet-and-touch otimizada em interface desktop. E os aplicativos, sendo notificados da mudança, podem seguir se adaptando ao form factor. A tecnologia Plasma atual já pode sugerir para aplicações que arquivos gráficos QML/Javascript se encaixam no form factor atual e já está sendo usado em Plasma Active, o espaço de trabalho do Plasma otimizado para tablet. Nada disso requer que você faça logout e depois efetue login novamente - você pode apenas continuar a trabalhar com o documento que você estava trabalhando ou continuar lendo esse site!

Esses recursos colocam o atual Plasma muito à frente de qualquer concorrente e a diferença só vai aumentar com o lançamento do Plasma Next. Mas esses recursos avançados não levam embora a interface familiar. A equipe do Plasma está plenamente consciente do valor dos fluxos de trabalho estabelecidos dos usuários de computador e a necessidade de não interrompê-los. Isto significa que haverá perda mínima de funcionalidade ou alterações na configuração do ambiente de trabalho. Apenas performance mais suave, aparência elegante e mais flexibilidade.

O Visual Design Group, Design Interativo e Usabilidade

Além do trabalho técnico, há também um trabalho de design e usabilidade acontecendo. A idéia por trás do Visual Design Group foi a construção de uma equipe no KDE que se concentrará em design. Isso é feito de uma maneira nova, liderada pelo entusiasmo de Jens Reuterberg, um entusiasta de FOSS e designer da Suécia. Desde a criação da equipe de design, tem havido trabalho em muitas áreas. Houve novos ícones e melhorias para elementos de design existentes no software KDE, mas a maior parte do trabalho tem sido focada no Plasma Next. Um tema para widget está em desenvolvimento, um tema para cursor também e os ícones estão sendo discutidos. E o Plasma 5.0 mudará para a fonte Oxygen por padrão. Mas a equipe também analisa design interativo e fluxos de trabalho na interface, trabalhando em conjunto com a equipe de usabilidade do KDE.

A equipe de usabilidade mantém os desenvolvedores e designers experimentando novas interfaces de usuário, garantindo que o impacto do seu trabalho sobre o usuário é avaliado. A equipe realiza pesquisas e testes, bem como usa a sua própria experiência para ajudar os desenvolvedores do KDE a projetar aplicativos poderosos, mas fáceis de usar.

Especialistas em usabilidade têm dado feedback em várias áreas do software KDE, por exemplo, trabalhando em estreita colaboração com os desenvolvedores de uma nova interface de gerenciamento de rede para o Plasma. Outro exemplo é a experiência de sala de bate-papo no KDE Telepathy. Atualmente, está também em curso um trabalho de reformulação do Systemsettings e muitas outras coisas.

Em eventos como Akademy, a equipe de usabilidade dá aos desenvolvedores a formação para realizar testes em interfaces de usuário com usuários reais. Além de trabalhar diretamente com desenvolvedores e treiná-los, a equipe de usabilidade tem refeito as Diretrizes de Interface Humana do KDE.

Trabalho em progresso

O primeiro lançamento desta nova geração do Plasma não será sem seus problemas. Com uma mudança substancial na stack básica vêm novos e interessantes crashes e problemas que precisam de tempo para serem resolvidos. Isto pode também acontecer com os artefatos visuais. Enquanto o QML2 traz uma melhor aparência devido à sua perfeita integração com o OpenGL e um posicionamento mais preciso, a imaturidade do Qt Quick Controls, o sucessor da tecnologia widget de 15 anos no Qt, trará algumas arestas em outras áreas. Além disso, como o mais recente anúncio Beta aponta, o desempenho também é fortemente dependente da configuração de hardware e software específicos:

"Em alguns cenários, o Plasma Next mostrará um desempenho suave - enquanto em outros momentos, ele será prejudicado por várias falhas. Estas podem e serão abordadas, no entanto, muito depende de componentes como Qt, Mesa e drivers de hardware. Novamente, isso vai precisar de tempo, já que correções feitas no Qt agora simplesmente não vão ser lançadas até o momento em que a primeira versão do Plasma Next se tornar disponível". O Plasma 5.0 tem lançamento previsto para julho de 2014.

Leia mais:
 

Os aplicativos do KDE

Em comparação com a área de trabalho e bibliotecas, a situação com os aplicativos do KDE é mais simples. Atualmente em 4.13, o próximo lançamento será o 4.14, chegando em agosto. Depois disso, haverá outro lançamento (em conjunto com os aplicativos baseados no KDE Framework 5), mas o que vem a seguir ainda está em discussão. A equipe de lançamento do KDE tem experimentado o encurtamento do ciclo de lançamentos. Ciclos de lançamento mais curtos parecem ser uma tendência em todo o ecossistema, facilitada por ferramentas e processos melhorados.

Um ciclo de lançamento muito rápido?

Experiências no mundo dos aplicativos móveis e web têm mostrado que os usuários são muito mais propensos a começar a usar recursos e apreciar pequenos lotes, em vez de grandes despejos. Ciclos de lançamento curtos podem trazer correções de bugs e melhorias para nossos usuários muito mais rápido. Por outro lado, a maioria dos usuários de software KDE acessam seu software e atualizações por meio das distribuições downstream que estão em ciclos de lançamento mais lentos, apesar de terem repositórios para software atualizado. Por isso este é um debate que precisa incluir as distribuições, tanto quanto os desenvolvedores upstream.

E em todo caso, tanto a nossa infra-estrutura de lançamento quanto a nossa promoção terão de ser ajustadas também. Isso começou na lista de discussão do KDE Community, com propostas que envolvem uma reorganização dos aplicativos do KDE, mudanças no ritmo de lançamento e transformação dos aplicativos do KDE 4.15 em um release de Suporte de Longa Duração para que os desenvolvedores de aplicativos possam mudar seu foco para o Frameworks 5.

Mudando para o Frameworks 5

A tendência para ciclos de lançamento mais curtos requer muitas perguntas respondidas antes que se torne viável na prática. Mas a mudança para Frameworks 5 é certa de acontecer em algum momento, a questão é apenas quando. Alguns aplicativos já começaram a ser portados, encorajados pelo progresso rápido que está ocorrendo no Frameworks 5. Entretanto, a maioria não foi portada ainda.; é pouco provável que a maioria dos aplicativos sejam portados para o Frameworks 5 até o final do ano. A migração é relativamente fácil, mas as equipes variam em foco e objetivos, por isso teremos aplicativos baseados no Frameworks 5 lançados junto a séries 4.x por um tempo.

Aqui, novamente, os desenvolvedores do KDE querem que o processo de atualização seja suave para os usuários. Em suma, as séries 4.x estarão conosco por enquanto, e uma série Frameworks 5 estará disponível em paralelo. Independentemente da série, os aplicativos irão trabalhar bem em qualquer ambiente de trabalho. Os desenvolvedores querem garantir que a migração não é um problema.

Leia mais:
 

Bibliotecas do KDE

Quando o KDE começou há mais de 15 anos, o desenvolvimento foi impulsionado pelos aplicativos. As bibliotecas eram destinadas para compartilhar o trabalho, tornando o desenvolvimento mais fácil e mais rápido. A nova funcionalidade nas bibliotecas foi adicionada com base em regras simples. Por exemplo, se uma funcionalidade especial foi usada em mais de um lugar, ele foi colocada em uma biblioteca compartilhada. Hoje, as bibliotecas do KDE fornecem funcionalidade de alto nível, como barras de ferramentas e menus, verificação ortográfica e acesso ao arquivo. Elas também são usadas ​​ocasionalmente para corrigir ou contornar problemas no Qt e outras bibliotecas que o software KDE depende. Distribuído como um único conjunto de bibliotecas interligadas, elas formam uma base de código comum para (quase) todos os aplicativos do KDE.

Frameworks 5

Sob os esforços do KDE Frameworks, essas bibliotecas estão sendo metodicamente reformuladas em módulos independentes multiplataformas que estarão facilmente disponíveis para todos os desenvolvedores do Qt. Algumas funções já foram adotados como padrões no Qt. O KDE Frameworks - desenhadas como extensões às bibliotecas do Qt - vão enriquecer o Qt como um ambiente de desenvolvimento. O Frameworks pode simplificar, acelerar e reduzir o custo de desenvolvimento no Qt, eliminando a necessidade de reinventar funções-chave. O Qt está crescendo em popularidade. O Ubuntu está construindo o Ubuntu Phone com Qt e QML e planejando migrar todo o ambiente de trabalho no futuro. Os projetos GCompris e LXDE desktop estão em processo de migração para o Qt. O Subsurface (um projeto de registro de mergulho que ficou famoso por ter Linus Torvalds como contribuidor principal) teve sua primeira versão baseada em Qt.

Com Frameworks, KDE está ficando mais perto do Qt, beneficiando ambos, assim como mais e mais usuários e desenvolvedores. A equipe do Frameworks planeja fazer lançamentos mensais com desenvolvimento com menos branch. Isso significa que tudo será desenvolvido em master, de modo que cada versão irá conter algumas novas funcionalidades e correções de bugs. É claro que este tipo de ciclo de lançamento vem com um preço próprio. Recursos lançados em módulos só podem ser introduzidos de uma forma muito granulada, de modo a não comprometer a estabilidade e a nossa integração contínua, e ferramentas de teste serão levadas muito a sério. Todo o código modificado tem que vir com os testes correspondentes e há um forte foco na revisão por pares. Este modelo ainda está em discussão com as equipes de distribuição, considerando o impacto sobre as suas práticas de lançamento. KDE Frameworks 5.0 está previsto para ser lançado na primeira semana de julho de 2014.

Leia mais:
 

Conclusão

Agora, nós cobrimos o Frameworks, Aplicativos e Plasma - toda a gama de tecnologias do KDE. No segundo semestre deste ano, podemos esperar que a nova geração do Frameworks e Plasma esteja disponível. Os aplicativos vão demorar um pouco mais, no entanto, devem rodar em qualquer ambiente de trabalho. Todos têm alterações no ciclo de lançamento, já não serão liberados como parte do completo "KDE Software Compilation". Em comparação com a grande mudança anterior na plataforma (KDE 4.0), estas serão incrementais em nível técnico. O Plasma Next e o Frameworks 5 são muito sobre aproveitar o fato de que nossa infra-estrutura foi pega com as nossas ambições. Temos a intenção de entregar estes benefícios na forma de uma grande experiência para os nossos usuários!

Na próxima semana, vamos publicar a segunda parte da mini-série "Para onde o KDE está indo", com um olhar para a governança do KDE e como a nossa comunidade tem se transformado.

Esses artigos são baseados em uma palestra dada em conf.kde.in por Jos Poortvliet com muitas contribuições de colaboradores do KDE. Uma versão mais extensa desses artigos, citando membros da comunidade KDE, pode ser encontrada no próximo número (agosto) da revista Linux Voice, "a revista que devolve à comunidade de Software Livre".

O artigo original em inglês pode ser lido no dot.kde.org

JUN
9
2014

LaKademy: Conferência Latino-Americana do KDE ocorrerá no CCSL-USP

É com muita satisfação que divulgamos que o LaKademy 2014 - Conferência Latino-Americana do KDE, ocorrerá de 27 à 30 de agosto em São Paulo, nas dependências do CCSL - Centro de Competência em Software Livre do IME-USP.

O principal objetivo do LaKademy é realizar o encontro presencial dessa comunidade de usuários e colaboradores, possibilitando a troca de ideias sobre projetos e iniciativas entre os diferentes membros, discutir o futuro do KDE, planejar futuras ações para o KDE na América Latina, além de apresentar o projeto para novos e potenciais colaboradores.

Para tanto, o LaKademy é composto de atividades como palestras sobre os principais tópicos relativos ao KDE, sessões de hacking pra você aprender como colaborar com código para o projeto, além de reuniões sobre temas específicos de interesse da comunidade.

As inscrições para participantes poderão ser realizadas em breve. Por enquanto estamos com a chamada de trabalhos aberta.

Participe!

Sobre o LaKademy 2014 - http://br.kde.org/lakademy-2014

Chamada de Trabalhos - http://br.kde.org/lakademy-2014-CfP

Pages