Vídeo aulas "Contribuindo com o KDE"

araceletorres

Há duas semanas gravamos o primeiro vídeo de uma série de vídeo aulas que pretendemos fazer sobre como você pode começar a contribuir com o KDE. 

O Sandro Andrade está sendo responsável pela produção dos vídeos e já disponibilizou dois desde então. 

O primeiro vídeo é bem introdutório e apresenta a comunidade KDE, suas principais tecnologias e seu ecossistema, ou seja, tenta fornecer uma visão geral sobre como as coisas funcionam na nossa comunidade. No segundo vídeo, você vai aprender a como preparar o seu ambiente para começar a contribuir. O vídeo ensina como instalar o ArchLinux, o KDE Plasma Desktop, o KDE Framework e o KDE Applications.

Se você tem vontade de fazer parte da nossa comunidade e começar a contribuir, esses vídeos podem ajudá-lo nos primeiros passos. Assista e, se possível, nos dê também um feedback! ;-)

 

 


Solução (simples) pra quem não consegue entrar no SDDM após atualização do Debian Stretch

aracnus

Quem usa Debian Stretch com a combinação KDE+Nvidia+SDDM teve uma infeliz surpresa após atualizar os drivers da Nvidia pra última versão e o pacote glx-diversions para a versão 0.6.0: o SDDM dá um erro (mais especificamente o erro é anunciado pelo sddm-greeter) e não aparece mais a tela de autenticação.

Depois de dar uma passeada na rede, achei uma solução bem simples e que resolve o problema: adicionar o usuário sddm ao grupo video. Parece que também é necessário adicionar o seu próprio usuário a esse grupo, mas como o meu já estava nesse grupo, foi só adicionar o sddm que tudo voltou a funcionar perfeitamente. Pra quem não lembra, pra adicionar o usuário ao grupo é só usar o comando abaixo (como root ou usando o sudo:

adduser sddm video

A dica veio desse bug aberto na Debian.


Cantor: novo release em dezembro

Filipe Saraiva

cantor-backendselection

Diálogo de seleção de backends no Cantor

Cantor, o ambiente de programação científica inspirado no conceito de notebooks, está com o lançamento de uma nova versão programada para ocorrer junto com o KDE Applications 15.12 em dezembro.

A funcionalidade mais importante nesse futuro release será a remoção da dependência do KDELibs4Support. O Cantor teve um port inicial para Qt5/KF5 lançado com o KDE Applications 15.04 em abril, mas aquela versão ainda usava o KDELibs4Support. Porém, agora essa é uma história que ficou no passado. Atualmente, o código fonte no branch master do repositório do Cantor já pode ser compilado sem KDELibs4Support. Espero que isso signifique um importante passo para o port do software para outros sistemas operacionais.

Nas semanas seguintes irei fazer uma triagem nos relatórios de bugs para verificar quais ainda estão presentes na atual versão. Vamos trabalhar duro e investir bastante energia para termos uma ótima nova versão!

Se você puder ajudar nesse desenvolvimento, sinta-se convidado para se juntar a mim nesta tarefa.

Caso aprecie meu trabalho com o Cantor, você pode demonstrar seu apoio fazendo uma doação diretamente para mim. Ou considere fazer uma doação para a comunidade KDE – desta forma você estará apoiando as melhorias desenvolvidas para o desktop, aplicações, bibliotecas, e para a infraestrutura fornecida pelo KDE para os mais variados projetos de software livre. Há uma campanha de crowdfunding acontecendo até dia 30 de setembro e uma página de doações sempre disponível.

E Feliz dia da Liberdade do Software!

(Happy Software Freedom Day!)


KDE no FISL 16

boliveira

Muitos de vocês já sabem que o FISL (Fórum Internacional de Software Livre) é uma grande conferência mundial de FLOSS. De 8 a 11 de julho de 2015, um total de 5281 pessoas apaixonadas por software livre se reuniram em Porto Alegre (sul do Brasil) para a 16º edição do FISL, desfrutando de atividades tais como: conversas, painéis, hackthons, oficinas e reuniões de comunidades. Todos os tipos de tópicos relacionados a FLOSS estavam presentes: desenvolvimento, tradução, artwork, educação, robótica, empreendedorismo, áudio-visual, mulher e gênero, política, academia e pesquisa… Ufa! Muita coisa! :) O KDE tem uma longa e memorável história no FISL e este ano não foi diferente.Uma palestra inspiradora por CorneliusO Workshop de Software Livre (WSL) é uma reunião que acontece paralelamente ao FISL dedicada à apresentação, discussão e publicação de trabalhos científicos revisados por pares sobre FLOSS. Este ano, o WSL teve a honra de receber Cornelius Schumacher (ex-presidente do KDE e.V.) como orador principal. Em sua palestra inspiradora intitulada “Learning to Grow” (Aprendendo a Crescer), Cornelius enumerou onze características das comunidades de software livre, os quais fornecem o substrato fundamental aos recém ingressantes ao FLOSS para exercitar e alavancar suas habilidades técnicas, administrativas e sociais.  Palestra de Cornelius no XVI International Free Software Workshop (WSL)KDE marca presença e chama atençãoEste ano, os membros da Comunidade KDE estavam confortavelmente instalados em um estande de 6m² na área dos expositores. Lá podíamos instalar nosso recém impresso poster do Konqi (muito obrigado ao KDE Visual Design Group pelas dicas legais), mostrar tecnologias KDE aos visitantes, e vender nossas mercadorias. Ficamos contentes em ter seis diferentes modelos de camisetas do KDE, alguns broches do Konqi e algumas canecas para pessoas que desejam demonstrar seu amor pelo KDE :).  Estande do KDE no FISL 16 Quando os recém-chegados se aproximavam da exposição com diversas perguntas sobre Linux, distros e KDE, ficou claro o quão rico e às vezes complicado o mundo FLOSS pode ser. Acostumar-se aos papéis desempenhados por diversos atores e compreender como as comunidades se entrelaçam entre si pode ser confuso. Várias vezes tivemos visitantes juntando-se a nós para explicarmos sobre o ecossistema Linux/Qt/KDE, as motivações para contribuir no KDE e os passos básicos para fazer isso.  Filipe mostrando as tecnologias KDE em nosso estandeAtraindo novos colaboradores

É de comum conhecimento que as primeiras contribuições em projetos FLOSS significa antes superar várias barreiras, particularmente em regiões que não possuem a cultura, incentivos e apoio adequado a este envolvimento. Divulgando o quão fácil a Comunidade KDE é e tendo conversas informais e inspiradoras com os veteranos, podemos reduzir significativamente essas barreiras, dando assim um impulso nas motivações dos jovens. No terceiro dia do FISL, houve uma sessão Q&A com Cornelius e um grupo de estudantes de Ciências da Computação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) - uma universidade pública no Nordeste do Brasil. Foi legal observar muitas perguntas interessantes sendo levantadas e os estudantes sendo presenteados com toda a experiência de Cornelius.

Sessão Q&A com Cornelius e alguns estudantes de Ciências da Computação do IFBAMulheres na tecnologia com AraceleUm tópico que tem sido amplamente discutido nas conferências FLOSS no Brasil é a presença de mulheres na tecnologia. O FISL 16 teve quatro painéis dedicados a este assunto – um em cada dia de conferência. Os objetivos são de ajudar na identificação de barreiras e situações de assédio, caracterizar o envolvimento de mulheres em comunidades FLOSS, e compartilhar experiências como um meio de estimular novos contribuidores. Aracele apresentou um testemunho legal sobre sua dissertação de mestrado acerca do Projeto GNU, como ela se envolveu no KDE e o que a mantém dedicando algum tempo a projetos de Software Livre.  Painel “Women in Technology” do FISLEncontro da Comunidade KDENós temos a tradição de realizar um encontro da Comunidade KDE no FISL. É um momento para entender melhor nossos usuários, obter algum feedback e apresentar as coisas incríveis que construímos. Embora a construção de comunidades FLOSS não seja fácil, foi bastante gratificante ver quatro gerações de contribuidores brasileiros do KDE compartilhando o mesmo espaço e socializando suas experiências, problemas e motivações.  Encontro da comunidade KDE no FISL 16Obrigada - e até a próximaE isso é tudo! O KDE teve uma ótima estada no FISL 16. Estamos ansiosos para a próxima edição, mas ainda precisamos planejar nossa presença na Conferência Latino-Americana de Software Livre – Latinoware, outro grande encontro de Software Livre no Brasil. Muito obrigado ao KDE e.V., a equipe organizadora do FISL e a todos os membros da comunidade Latino-americana do KDE pelo suporte inestimável.  Mas, espere! :) Nos ajude a promover o 2º episódio do Engrenagem – a série de vídeo em português sobre todos os tipos de coisas relacionadas ao KDE. O episódio foi ao ar em 18 de julho, 10h30min GMT-3, e falou sobre o papel do Qt na Comunidade KDE (mas poderia facilmente ser intitulada de o papel do KDE na Comunidade Qt :)). Confira as fotos do KDE no FISL 16! E veja mais fotos FISL 16!


Escrevendo Ciência com Software Livre

Filipe Saraiva

No Fórum Internacional de Software Livre (FISL) desse ano apresentei uma palestra interessante para aqueles que trabalham com pesquisa em geral. Falei sobre alguns softwares livres utilizados naquilo que os pesquisadores, não importando qual área estejam trabalhando, mais fazem: ler e escrever.

scientific-method

Konqi – o mascote do KDE – explica uma versão do método científico

Seja das humanidades, seja das exatas, das ciências da vida, ou das artes, pesquisadores irão dedicar boa parte do seu tempo de trabalho lendo textos – sejam artigos, livros, teses, e mais -, gerenciando esses textos e as informações coletadas a partir deles – como fichamentos – e escrevendo novos textos científicos, alimentando a cadeia formal de produção e divulgação de ciência.

Para isso a comunidade de desenvolvedores de software livre KDE disponibiliza três softwares muito interessantes, que cobrem as etapas comentadas acima:

  • Okular – um leitor universal de documentos (lê PDF, ePub, txt, ODF, OOXML, e mais) que permite fazer anotações seguindo o padrão PDF;
  • Kile – um editor LaTeX que conta com modelos, destaque de sintaxe, complementação de código, e muitos assistentes para inserção de figuras, criação de tabelas, e outros;
  • Kbibtex – um gerenciador de referências que permite organizar a base de informações da sua pesquisa, relacionar entradas bibtex com arquivos de diversos tipos, fazer buscas em vários repositórios de referências sobre temas e autores, entre outras.

anotacoes_okular

Exemplo de anotações com Okular

Na palestra introduzi algumas informações sobre a comunidade KDE, sobre ciência e software livre, e em seguida passei a falar de cada software, fazendo demonstrações das diversas funcionalidades presentes neles.

Se você não compareceu ao FISL e ficou interessado nessa apresentação, sem problemas! Os slides que utilizei estão logo abaixo. Mas a melhor parte é que é possível conferir as demonstrações das funcionalidades dos softwares, porque a palestra foi filmada! O vídeo com pouco mais de 30 minutos está mais abaixo.

Os slides:

O vídeo:

http://hemingway.softwarelivre.org/fisl16/high/41c/sala_41c-high-201507081922.ogv

Espero que gostem das informações aí apresentadas e fiquem a vontade para enviar qualquer dúvida, seja pelos comentários aqui do post, ou via meu e-mail em filipe at kde.org.


LaKademy 2015 – meu sprint do Cantor e outros trabalhos

Filipe Saraiva

De 3 à 6 de junho o KDE Brasil voltou à Salvador/Bahia para realizar o KDE Latin America Summit 2015 – ou, usando o nome mais bacana, LaKademy 2015.

Aracele já escreveu sobre como o KDE Brasil teve início. É inevitável não pensar aquilo quando falamos sobre KDE e Bahia ao mesmo tempo. KDE tem colaboradores no Brasil e na América Latina em geral desde muitos e muitos anos atrás (KDHelio está aqui para nos lembrar 😉 ) mas o moderno KDE Brasil, orientado à comunidade, com presença contínua nas principais conferências sobre software livre no Brasil, com diversos desenvolvedores, tradutores, e mais, nasceu na Bahia a partir do trabalho do grupo Live Blue – Sandro e Tomaz. Portanto, viajar à Bahia não é apenas uma jornada ao local de nascimento do Brasil moderno – é também uma viagem ao local de nascimento do moderno KDE Brasil.

Meu principal trabalho no LaKademy 2015 foi terminar o port do Cantor para Qt5/KF5. Eu iniciei essa tarefa no LaKademy anterior, e agora foi o momento de terminá-la. Durante o evento me foquei principalmente na remoção do KDELibs4Support. Durante o sprint abri 5 review requests, um para cada biblioteca removida. Agora estou terminando o mecanismo de carregamento de plugins e o trabalho estará terminado.

Mas esta não foi minha única atividade realizada. Durante o evento tivemos alguns projetores para apresentar palestras e material relacionado com contribuição para software livre. Apresentei o processo de revisão de código para os participantes e como submeter requisições de revisão. Isso foi realmente interessante para os novatos.

“Huumm… vamos compilar esse patch e ver o que acontece.”

Colocar diferentes contribuidores e novatos juntos é um momento interessante para troca de dicas e tirar dúvidas sobre diversos aspectos relacionados com contribuição. É interessante ver as diferentes distribuições Linux utilizadas por cada desenvolvedor, como cada um configura seu ambiente de desenvolvimento, e mais. É também um momento legal para sentar lado a lado com outros desenvolvedores para aprender um pouco mais, ou com os novatos para ensinar algo.

Enquanto trabalhei no port do Cantor, fui auxiliado por Daniela e Alana durante a remoção do KDialog. Outro momento legal foi ver a contribuição do Ícaro, Rodrigo e Fernando, adicionando a funcionalidade para automaticamente aumentar o tamanho das bolas no Kollision – precisamos entregar isso aos usuários!

“O que você acha dessa linha?”

E claro, tivemos um encontro de promo para discutir as atividades do KDE no Brasil para esse ano. Quem quiser ver nossas ações e propostas, basta dar uma olhada no quadro do KDE Brasil no kanboard.

Promo Promo Promo Promo Promo Promo

Agora é o momento de espalhar a mensagem do KDE nos eventos brasileiros de software livre – e esse trabalho já começou semanas atrás durante o FISL.

Finalizando, obrigado Sandro por ter organizado o LaKademy 2015 e por toda sua dedicação ao KDE Brasil. Gostaria de agradecer também a todos que contribuíram com o crowdfunding do LaKademy 2015 e ao KDE e.V. – vocês fizeram o evento acontecer! Obrigado também ao Aleix Pol por revisar minhas contribuições de código! =)

E obrigado Salvador por ser essa cidade maravilhosa e sua culinária espetacular! =D

Somos uma família feliz!


“Contribuindo com Grandes Projetos de Software Livre”, no Teresina Hacker Clube

Filipe Saraiva

filipe-thc

Quem estiver em Teresina por esses dias apareça na sede do Teresina Hacker Clube para batermos um papo não apenas sobre contribuições com projetos de software livre mas sobre contribuições para grandes comunidades internacionais! Segue o chamado e nos vemos lá! 😉

Amanhã (25/7) às 14h30 teremos o prazer de receber em nosso hackerspace um contribuidor em várias comunidades de software livre: o pesquisador Filipe Saraiva.

Faremos um bate papo sobre os principais motivos para contribuir com grandes projetos de software livre, mostrando na prática o que é uma comunidade internacional que trabalha em conjunto na construção de software de qualidade e responder questões do tipo: Qual a diferença entre contribuir com projetos e distribuições? Quais os principais passos para começar a colaborar? Por que eu faria isso?

Filipe Saraiva é doutorando em engenharia elétrica pela USP – Universidade de São Paulo, bacharel em ciência da computação pela UFPI. Ativista do software livre com participação em várias comunidades, em especial como desenvolvedor no KDE, membro do KDE e.V., e empacotador no Mageia.

A apresentação servirá para os mais diferentes projetos, mas os exemplos práticos demonstrados utilizarão o projeto da comunidade KDE.

Apareça!


Software Livre no Pint of Science Brasil 2015

Filipe Saraiva

Pint of Science é um festival internacional em rede que reúne cientistas em mesas de bares para conversar e compartilhar sobre ciência, a repercussão que sua área de pesquisa tem para a sociedade, e muito mais. É divulgação científica + boteco!

O Brasil está participando pela primeira vez do evento, e a cidade de São Carlos terá 3 dias com mesas de bate-papo sobre temas variados em dois restaurantes da cidade.

Para quem estiver na cidade hoje (18/05), a partir das 20h o Espaço Sete terá uma conversa sobre software livre e a liberdade de conhecimento na academia. Estarei lá junto com um grupo de amigos participantes de diversas comunidades de software livre para falarmos sobre o assunto, e claro, beber cerveja.

Vejo vocês lá!


KDE Brasil - quem somos, o que fazemos e por quê ?

Sandro S. Andrade

Pode parecer um tanto quanto sem sentido - para nossos amigos e familiares - porque nos envolvemos de forma tão intensa em uma atividade voluntária de colaboração em projetos de software livre. Os motivos são diversos e satisfatoriamente investigados em alguns projetos de pesquisa [1, 2]. Como qualquer trabalho voluntário, contribuir com software livre nos expõe a experiências, sensações e recompensas que nos tornam mais maduros, mais humanos e mais conscientes do nosso papel na sociedade e na formação do mundo para as próximas gerações.

Pelo menos para nós, profissionais da área de Computação, a primeira motivação - geralmente mais rústica e imediatista - é uma só: acesso a tecnologia moderna e de qualidade. Com o tempo, passamos a experimentar, entender e divulgar outros aspectos: compartilhamento livre do conhecimento, valorização de pessoas acima da tecnologia, sensação de pertencimento, amadurecimento pessoal e profissional, vivência de outras culturas, etc.

Por outro lado, pode ser difícil explicar porque - dentre tantos projetos excelentes de software livre sendo conduzidos no mundo - um ou outro consegue "fisgar" o seu coração. Meu primeiro contato com o KDE foi nos idos de 1999-2000, ainda na versão 2, provavelmente com a distribuição Linux Conectiva, se não me falha a memória. Mais ou menos na mesma época, descobri o Qt e finalmente pude fazer aplicações gráficas "lindas de morrer" sem abrir mão da minha linguagem de programação preferida: o C++.

Mas foi somente a partir de 2008 que eu e Tomaz Canabrava estreitamos os laços com a pequena comunidade brasileira do KDE à epoca e, mais tarde, com a comunidade internacional. Mas isso é outra história, daria um livro inteiro talvez :). Neste pequeno texto, gostaria de focar nos motivos pelos quais nos tornamos apaixonados pelo KDE. Citarei alguns, mas gostaria de começar logo pelo mais importante de todos.

Pessoas !!! Sim, isso mesmo, pessoas. Que estranho primeiro motivo, principalmente para nós hackers - conhecidos geralmente por um alto potencial técnico e baixas habilidades sociais :). Comunidades de software livre já consolidadas, como o KDE e outras muitas, reconhecem que sem elas nada mais existiria nem faria sentido. E fazemos muita coisa para garantir um ambiente próspero e respeitoso, mas também com abertura para discussão de opiniões divergentes e reconhecimento da meritocracia obtida, por colaboradores, em anos de trabalho duro. Código de conduta, community working groups, discussões sempre públicas, o KDE Manifesto, são alguns dos instrumentos utilizados para a manutenção da nossa boa "atmosfera".

Um dos meus "mantras" em sala de aula: "os melhores profissionais da Computação estão em projetos de software livre". Se você for um aspirante a chef de cozinha, é como se você tivesse à disposição todas as receitas dos maiores chefs do mundo. E mais, você poderia discutir diretamente com ele ou contribuir para a elaboração de novas receitas. Você poderia trocar idéias com chefs de todo o mundo: India, Japão, EUA, Inglaterra ... Não seria maravilhoso ? :) No KDE, você encontra um grupo vibrante de pessoas, felizes em desenvolver software de qualidade, de forma aberta, acessível a qualquer pessoa, de todo o mundo. E todos podem participar, independente da área de formação. Muitos membros do KDE são profissionais da Computação, mas outros são médicos, administradores, historiadores, economistas, designers, filósofos, ... . Nós encontramos nosso lugar, é o tal do "sense of belonging" :).

Segundo, seus limites técnicos e interpessoais serão continuamente ampliados. Qual sua referência profissional atualmente ? Quais suas metas e desejos ? Com software livre, nosso limite passar a ser O MUNDO. Assuma seu chapéu de "humilde aprendiz" e prepare-se para experimentar um salto técnico e interpessoal bastante considerável na sua carreira. Exponha-se, tenha seu trabalho revisado por gurus com décadas de experiência. Especialize-se e contribua para tornar aquele projeto ainda melhor. Mais pra frente, ajude os novatos e/ou seja contratado por uma excelente empresa ligada a software livre.

Terceiro, nós desenvolvemos soluções reais para problemas reais, presentes em todo o mundo, beneficiando milhões de usuários e contribuindo para a formação de milhares de jovens profissionais. Existe algo mais gratificante do que ver o fruto das suas contribuições tornando melhor a vida de pessoas em todo o mundo ? Nossas aplicações são utilizadas no ensino infantil em escolas públicas, em infocentros públicos de acesso à Internet, em projetos de instituições de pesquisa e em projetos de educação artística digital, só para citar alguns.

Gostou ? :) Se quiser ter uns hackers empolgados como amigos e ajudar nesse tão gratificante "trabalho", junte-se a nós. No mínimo, você vai dar umas boas risadas :).

Aproveite a faça uma doação para a nossa campanha de arrecadação de fundos para o LaKademy 2015 - 3o. Encontro Latino-Americano dos Colaboradores do KDE. O LaKademy 2015 será realizado de 3 a 6 de junho, em Salvador-BA. O LaKademy é um dos momentos onde nos encontramos presencialmente para contribuir e discutir as ações que realizaremos para o KDE no Brasil e na América Latina.

[1] The Social Structure of Open Source Software Development Teams. Crowston & Howison. OASIS. 2003.
[2] Carrots and Rainbows: Motivation and Social Practice in Open Source Software Development. Krogh. 2012.


KDE Brasil - quem somos, o que fazemos e por quê ?

Sandro Santos Andrade

Pode parecer um tanto quanto sem sentido - para nossos amigos e familiares - porque nos envolvemos de forma tão intensa em uma atividade voluntária de colaboração em projetos de software livre. Os motivos são diversos e satisfatoriamente investigados em alguns projetos de pesquisa [1, 2]. Como qualquer trabalho voluntário, contribuir com software livre nos expõe a experiências, sensações e recompensas que nos tornam mais maduros, mais humanos e mais conscientes do nosso papel na sociedade e na formação do mundo para as próximas gerações.

Pelo menos para nós, profissionais da área de Computação, a primeira motivação - geralmente mais rústica e imediatista - é uma só: acesso a tecnologia moderna e de qualidade. Com o tempo, passamos a experimentar, entender e divulgar outros aspectos: compartilhamento livre do conhecimento, valorização de pessoas acima da tecnologia, sensação de pertencimento, amadurecimento pessoal e profissional, vivência de outras culturas, etc.

Por outro lado, pode ser difícil explicar porque - dentre tantos projetos excelentes de software livre sendo conduzidos no mundo - um ou outro consegue "fisgar" o seu coração. Meu primeiro contato com o KDE foi nos idos de 1999-2000, ainda na versão 2, provavelmente com a distribuição Linux Conectiva, se não me falha a memória. Mais ou menos na mesma época, descobri o Qt e finalmente pude fazer aplicações gráficas "lindas de morrer" sem abrir mão da minha linguagem de programação preferida: o C++.

Mas foi somente a partir de 2008 que eu e Tomaz Canabrava estreitamos os laços com a pequena comunidade brasileira do KDE à epoca e, mais tarde, com a comunidade internacional. Mas isso é outra história, daria um livro inteiro talvez :). Neste pequeno texto, gostaria de focar nos motivos pelos quais nos tornamos apaixonados pelo KDE. Citarei alguns, mas gostaria de começar logo pelo mais importante de todos.

Pessoas !!! Sim, isso mesmo, pessoas. Que estranho primeiro motivo, principalmente para nós hackers - conhecidos geralmente por um alto potencial técnico e baixas habilidades sociais :). Comunidades de software livre já consolidadas, como o KDE e outras muitas, reconhecem que sem elas nada mais existiria nem faria sentido. E fazemos muita coisa para garantir um ambiente próspero e respeitoso, mas também com abertura para discussão de opiniões divergentes e reconhecimento da meritocracia obtida, por colaboradores, em anos de trabalho duro. Código de conduta, community working groups, discussões sempre públicas, o KDE Manifesto, são alguns dos instrumentos utilizados para a manutenção da nossa boa "atmosfera".

Um dos meus "mantras" em sala de aula: "os melhores profissionais da Computação estão em projetos de software livre". Se você for um aspirante a chef de cozinha, é como se você tivesse à disposição todas as receitas dos maiores chefs do mundo. E mais, você poderia discutir diretamente com ele ou contribuir para a elaboração de novas receitas. Você poderia trocar idéias com chefs de todo o mundo: India, Japão, EUA, Inglaterra ... Não seria maravilhoso ? :) No KDE, você encontra um grupo vibrante de pessoas, felizes em desenvolver software de qualidade, de forma aberta, acessível a qualquer pessoa, de todo o mundo. E todos podem participar, independente da área de formação. Muitos membros do KDE são profissionais da Computação, mas outros são médicos, administradores, historiadores, economistas, designers, filósofos, ... . Nós encontramos nosso lugar, é o tal do "sense of belonging" :).

Segundo, seus limites técnicos e interpessoais serão continuamente ampliados. Qual sua referência profissional atualmente ? Quais suas metas e desejos ? Com software livre, nosso limite passar a ser O MUNDO. Assuma seu chapéu de "humilde aprendiz" e prepare-se para experimentar um salto técnico e interpessoal bastante considerável na sua carreira. Exponha-se, tenha seu trabalho revisado por gurus com décadas de experiência. Especialize-se e contribua para tornar aquele projeto ainda melhor. Mais pra frente, ajude os novatos e/ou seja contratado por uma excelente empresa ligada a software livre.

Terceiro, nós desenvolvemos soluções reais para problemas reais, presentes em todo o mundo, beneficiando milhões de usuários e contribuindo para a formação de milhares de jovens profissionais. Existe algo mais gratificante do que ver o fruto das suas contribuições tornando melhor a vida de pessoas em todo o mundo ? Nossas aplicações são utilizadas no ensino infantil em escolas públicas, em infocentros públicos de acesso à Internet, em projetos de instituições de pesquisa e em projetos de educação artística digital, só para citar alguns.

Gostou ? :) Se quiser ter uns hackers empolgados como amigos e ajudar nesse tão gratificante "trabalho", junte-se a nós. No mínimo, você vai dar umas boas risadas :).

Aproveite a faça uma doação para a nossa campanha de arrecadação de fundos para o LaKademy 2015 - 3o. Encontro Latino-Americano dos Colaboradores do KDE. O LaKademy 2015 será realizado de 3 a 6 de junho, em Salvador-BA. O LaKademy é um dos momentos onde nos encontramos presencialmente para contribuir e discutir as ações que realizaremos para o KDE no Brasil e na América Latina.

[1] The Social Structure of Open Source Software Development Teams. Crowston & Howison. OASIS. 2003.
[2] Carrots and Rainbows: Motivation and Social Practice in Open Source Software Development. Krogh. 2012.


Páginas